Como fazer

Uma aula no The Box

Antes da inauguração da sala The Box na Escola São Domingos, foram realizadas sessões teste com alunos de 14 a 16 anos, de séries diferentes, a fim de verificar a adesão, o envolvimento e o engajamento dos participantes.

Uma das aulas, organizada por Henrique Romano Carneiro, idealizador do Projeto The Box, tinha o objetivo de apresentar aos estudantes conceitos de física, como a força de atrito. A sessão serviria como estratégia motivadora para as explicações que ocorreriam em sala de aula. Esse conteúdo seria discutido apenas no próximo trimestre letivo dos participantes.

Problematização

Iniciada a sessão, os participantes da 1ª série do Ensino Médio foram apresentados ao seguinte questionamento: “Por que é mais difícil frear um veículo quando a pista está molhada e os pneus carecas?”.

O organizador da sessão, Henrique Romano, buscou promover maior empatia e engajamento dos participantes ao problema com estratégias específicas de engajamento.

Exploração

Impulsionados pela curiosidade em encontrar as respostas, os grupos rapidamente começaram a discutir entre si e organizarem as ideias apresentadas individualmente. Em seguida, acessaram a internet e buscaram outras fontes de informação, a fim de encontrar a melhor solução para o problema proposto na sessão.

Criação

Depois de buscarem outras fontes de informação e discutirem entre si, os alunos se empenharam a colocar a resposta encontrada no papel, fazendo uso do rolo instalado na mesa maker e dos pincéis coloridos. Escreveram os conceitos discutidos e encontrados, desenharam uma possível derrapagem do carro, pneus do veículo, e organizaram sua apresentação para a próxima etapa.

Apresentação

Na apresentação, os alunos surpreenderam. Cada grupo teve a sua maneira de encontrar a solução para o problema proposto. Alguns relacionaram a sua experiência ao andar de bicicleta com o pneu de um automóvel. Outros trouxeram definições encontradas em buscas na internet. Ao final, todos encontraram respostas, trabalhando com conceitos de física e atingindo o objetivo de aprendizagem ativa da sessão.

Feedback

Atento a cada etapa do processo de aprendizagem do The Box e tomando nota de tudo que foi apresentado e realizado, o organizador da sessão, foi responsável por promover entre os participantes reflexões acerca de elementos do conteúdo estudado e também dos desafios associados à competências sócio-emocionais requeridas para o trabalho realizado.

Ele apresentou os conceitos que foram descobertos pelos grupos, como, por exemplo, atrito, coeficiente de atrito, força de atrito, velocidade, dentre outros , de forma que os alunos perceberam a relação de cada um deles com o seu cotidiano.

Os participantes, ainda empolgados com a entrega dos resultados, fizeram mais perguntas e comentaram sobre o que foi proposto durante a sessão The Box.

 

É assim que o conhecimento acontece no The Box.  

 

Participar da sessão é uma forma melhor e mais curiosa de aprender. Quando recebemos o problema para resolver, discutimos o que já sabíamos, fazendo com que a resposta fosse mais fácil de ser encontrada. Cada um contou a sua experiência e solucionamos juntos.

Felipe Barros, 15 anos
1ª série do Ensino Médio

 

O The Box é uma experiência diferente, mais legal, e que envolve todos os alunos. Ficamos mais curiosos e motivados para resolver o problema e, com a troca de ideias do grupo, vamos nos complementando para encontrar a resposta. Absorvemos mais o conteúdo.

Esther Mello, 15 anos
1ª série do Ensino Médio

 

O The Box é diferente de tudo que vemos na sala de aula. Foge do padrão que estamos acostumados. É um lugar diferente, com ideias diferentes. Temos a mania de ver os problemas como algo ruim na vida e, aqui, vemos que resolver problemas nos torna pessoas melhores. A mesa é bem legal porque temos acesso a tudo que quisermos, e a forma como o problema é proposto desperta muito a curiosidade.

Maria Gabriella Forzza Roldi, 16 anos
1ª série do Ensino Médio

 

Apesar de termos a experiência de trabalhos em grupo em sala de aula, o The Box traz uma proposta diferente, que consegue envolver a todos e nos ensinar a lidar com essa organização. O orientador nos indica caminhos, que nós podemos escolher ou não, mas vamos encontrar uma resposta também.

Felipe Leon Brum Calvão, 15 anos
1ª série do Ensino Médio

 

O The Box desperta a curiosidade do aluno, trazendo uma experiência nova para resolver problemas simples. Essa forma de aprender mostra como é o mundo, nos torna mais capazes para conquistarmos nossa autonomia. Quando recebemos o problema, queremos pesquisar, queremos encontrar a solução, e, no meio de todo esse processo, aprendemos sem nem perceber. É muito bom!

Marina Zanotti, 15 anos
1ª série do Ensino Médio

 

A arquitetura do The Box já desperta curiosidade desde quando entramos nela. Conseguimos nos organizar em grupo e trocar experiências. Eu, por exemplo, ando de bicicleta e consegui contribuir bem sobre a aquaplanagem em um veículo. Essa troca envolve a todos, nos faz entender o porquê das coisas, e, consequentemente, aprendemos mais.

João Alexandre Reis, 15 anos
1ª série do Ensino Médio

 

O conceito do The Box é muito bom e a forma como a sessão acontece gera muito estímulo e engajamento para os estudantes adquirirem conhecimento. Agora, quando eles voltarem para a sala, já terão uma noção prévia de vários conceitos que antes eles nem mesmo conheciam.

Robson Leone Evangelista
Professor de Física da Escola São Domingos

Outras matérias

Metodologia The Box

saiba mais

The Box: uma metodologia aberta ao mundo

saiba mais

Organizador The Box: ponte entre o estudante e o conhecimento

saiba mais